4 de janeiro de 2014

Oração do Pequeno Potro


Meu Deus, que grama verdinha!
É tão cheio de pinotes e cabriolas o meu passeio!
Então, por que este temor dentro de mim?

Eu corro
e minha crina se enrosca ao vento!
Eu corro
e os perfumes envolvem meu coração!
Eu corro
e a alegria tropeça em minhas próprias pernas
pois eu recolho com 
os meus olhos,
os meus olhos brilhantes,
os meus olhos grandes,
a inquietude que move o mundo,
o mundo inteiro...

Bondoso Deus,
quando a estranha noite vir
cavalgando nas dobras da tarde,
ouça-me o triste rincho e envie
uma estrela para me guiar e silenciar meu medo.
Amém.


Versos de Carmen Bernos de Gasztold (1919),
numa tradução de Peter O’Sagae (2013).