17 de dezembro de 2013

Oração do Elefante


Querido Pai,
sou eu, o Elefante,
vossa criatura,
que vos fala...

Sinto vergonha do tamanho que tenho
mas não é culpa minha
se estes pesados pés estragam o caminho.
Ensinai-me a prudência para agir sabiamente,
conservando a dignidade e o equilíbrio.
Ensinai-me a pensar – filosoficamente –
e apreciar, por onde vou, a secreta leveza
das coisas...
Amém.


Carmen Bernos de Gasztold (1919)
Tradução de Peter O’Sagae (2013).