2 de abril de 2014

O LAGO — AONDE ——

Edgar Allan POE / Peter O'sagaE *

Na primavera da vida, era este meu lugar
Aonde do vasto mundo vinha um estigma afogar
De não poder amar dos males o menor;
Tão amável era o ponto ermo
De um esgazeado lago, com pedras duras contido,
E por altos pinheiros entorno protegido.
Porém, quando a noite arremessava o luto
Sobre aquele lugar — como sobre tudo,
E desejava atravessar-me o vento
Com sua música de lamento,
Despertava meu espírito de menino
Para a solidão do lago destemido.
Até então não era o congelante medo —
Mas um atraente encantamento,
E uma sensação sem definições
Brotando de um obscuro entendimento.
Rondava a morte na ofídica onda
E no sumidouro uma sepultura funda
Para quem o consolo dali poderia
Dar à imaginação sombria;
A quem sempre faz o pensamento fixo
Um Paraíso do lago maldito.


* Outro entendimento emerge dos 19 anos com que Edgar Allan Poe escreveu a primeira versão do poema “The Lake” (1827), que traduzo e retraduzo. A palavra ‘lot’ é aqui compreendida como quinhão de terra, lote, lugar; para o texto de 1845, busquei os conceitos de sorte, destino e, por extensão, estrela...